João Pedro, o jovem de 28 anos que morreu durante testes de vacina para Covid-19

Faleceu João Pedro Feitosa, um dos voluntários brasileiros, de 28 anos, que participou nos testes da vacina contra o novo coronavírus que está a ser desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica Astrazeneca.

A notícia foi avançada na quarta-feira pela Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil. O óbito ocorreu dia 19, segunda-feira, mas só agora foi comunicado.

Um familiar do médico João Pedro Feitosa, que morreu durante os testes da vacina contra a Covid-19 na quinta-feira (14), contou que Feitosa não tinha recebido doses reais da vacina, mas sim um placebo.

O laboratório responsável pelos testes ainda não se manifestou. As informações são da agência Bloomberg. O imunizante em questão está a ser desenvolvido pela Universidade de Oxford.

O parente contou que, apesar da informação ser mantida em sigilo, João Pedro, de 28 anos, era um dos voluntários que integrava o grupo de controlo. Os voluntários que fazem parte desta categoria recebem apenas um placebo e não o medicamento que está em teste. A fonte pediu à agência para não ser identificada.

João Pedro era formado no curso de Medicina da Universidade, João — que inclusive foi aluno da reitora da UFRJ, Denise Pires de Carvalho — estava atuando na linha de frente no combate ao coronavírus nas redes privada e municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

O laboratório AstraZeneca, responsável pelos testes em conjunto com a Universidade de Oxford, não confirmou a informação e argumentou que não comenta casos individuais por causa de regras de sigilo dos testes.