Cláudio Ramos indignado “Avós sem abraçar netos, gente sem dinheiro. Há gente a morrer, caramba”

Depois de Jorge Gabriel também Cláudio Ramos recorreu às redes sociais para mostrar o seu desagrado com as imagens na Nazaré.

Links patrocinados

O apresentador utilizou o Instagram para manifestar publicamente o seu desagrado perante as milhares de pessoas que estiveram esta manhã de quinta-feira a ver as ondas sem manterem distanciamento social e algumas sem máscara, as ondas gigantes da Nazaré.

“Era agarrar um a um metê-los dentro de uma sala e explicar que enquanto eles fazem esta estupidez, há avós que não abraçam os netos. Há pais que estão afastados dos filhos. Há profissionais de saúde esgotados. Há professores a fazerem de pais e pais a fazerem de professores. Há crianças que não podem ser crianças como eles foram”, começou por lamentar o apresentador.

Links patrocinados

“Temos a nossa terceira idade sem perceber o que se passa em muitos lares à espera de dias melhores e os seus colaboradores a correm riscos todos os dias. Há gente sem trabalhar. Há gente sem ganhar dinheiro. Há uma economia a estagnar e se fosse preciso, era fazer-lhes um desenho onde eles entendam que há gente a morrer, caramba”, continua, descrevendo a atitude que esteve no local como “egoístas”, “imatura”, “ignorante” e “irresponsável”.

“Mas pensando bem, se eles acham mais importante que tudo isto irem ver ondas gigantes, não sei se entenderiam. Posso ser só eu a pensar assim, mas palpita-me que além de egoístas a imaturidade, a ignorância e a irresponsabilidade destas almas é bem maior que as ondas da Nazaré! Depois restinguimos a circulação para que as pessoas não possam visitar os seus no cemitério e vamos juntos repensar o Natal. Enfim! Façam tudo para terem uma quinta-feira segura. Por vocês e pelos outros, que andamos todos cá para ser felizes”, terminou.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

… Era agarrar um a um metê-los dentro de uma sala e explicar que enquanto eles fazem esta estupidez, há avós que não abraçam os netos. Há pais que estão afastados dos filhos. Há profissionais de saúde esgotados. Há professores a fazerem de pais e pais a fazerem de professores. Há crianças que não podem ser crianças como eles foram. Temos a nossa terceira idade sem perceber o que se passa em muitos lares à espera de dias melhores e os seus colaboradores a correrem riscos todos os dias. Há gente sem trabalhar. Há gente sem ganhar dinheiro. Há uma economia a estagnar e se fosse preciso, era fazer-lhes um desenho onde eles entendam que há gente a morrer, caramba! Mas pensando bem, se eles acham mais importante que tudo isto irem ver ondas gigantes, não sei se entenderiam. Posso ser só eu a pensar assim, mas palpita-me que além de egoístas a imaturidade, a ignorância e a irresponsabilidade destas almas é bem maior que as ondas da Nazaré! . Depois restringimos a circulação para que as pessoas não possam visitar os seus no cemitério e vamos juntos repensar o Natal. Enfim! Façam tudo para terem uma quinta feira segura. Por vocês e pelos outros, que andamos todos cá para ser felizes! #euclaudio #claudioramos #saudeepazorestoouniversotraz

Uma publicação partilhada por Claudio Ramos (@claudio_ramos) a

Partilhe com os seus amigos: