Irmão de Valentina telefonou aos pais em gritos a alertar que a irmã estava sem vida

O Ministério Público acusa o pai e a madrasta de Valentina de homicídio qualificado, profanação de cadáver, abuso e simulação de sinais de perigo.

Sandro Bernardo, o pai da pequena Valentina, é ainda acusado de um crime de violência doméstica.

Já a mãe, que poderá ter tido um comportamento negligente, tal como a Comissão de Proteção de Menores – que mesmo após a fuga da criança não a sinalizou o risco que a menina corria – não serão acusados.

Segundo a acusação, que conta com cerca de 30 páginas, o filho da madrasta de Valentina, com apenas 13 anos, foi quem alertou para o estado de Valentina, que parecia estar sem vida.

Valentina terá sofrido convulsões e perdeu a vida no sofá, numa altura em que a madrasta e o pai tinham ido à farmácia comprar leite para a filha mais nova.

O filho de 13 anos ligou aos pais em pânico e alertou-os para o que estava a acontecer, pedindo para que voltassem de imediato a casa.

O Ministério Público vai defender que Valentina perdeu a vida após lesões cerebrais, provocadas pelas agressões do pai, que ainda a tentou asfixiar.

O MP pede ainda uma indeminização de 1700 euros pelos gastos que a GNR teve nas buscas pela menina.